domingo, 20 de fevereiro de 2011

Memórias

Olá para todos!!!

Aqui estou eu postando pela primeira vez!
Escolhi um conto que eu escrevi a alguns dias atrás.  
Espero que todos vocês gostem.



MEMÓRIAS


Era manhã. O sol ainda não havia sorrido no céu. Os passarinhos cantavam uma bela melodia. Segunda-feira, dia de acordar cedo para trabalhar. Minha turma de alunos me espera na escola. Um dia de grandes expectativas, pois a aula de hoje será sobre memórias.
Chegando à escola, o barulho de conversas e risos é contagiante. Mesmo sendo um lugar simples, com poucos adornos, é sempre aconchegante. Acredito que seja por ser o segundo lar de alunos e professores.
A tarefa foi proposta: O que são memórias para você? Fale um pouco sobre as suas memórias!
O tempo começa a ser contado. Todos os trinta alunos pensando. Alguns perdidos enquanto uns já rabiscam o papel furiosamente e outros apenas sorriem e olham para mim com melancolia.
A hora de compartilhar as memórias chegara. O nervosismo e a ansiedade tomam conta de todos. É um momento difícil para alguns alunos e muito agradável para outros.
Um pequeno menino começa: “Memórias para mim são os álbuns de fotografias de minha família. É o lugar onde eu posso viver quantas vezes eu quiser todos os momentos felizes que passei com todas as pessoas que eu amo”.
Uma garota de cabelos longos e escuros continua: “Memórias para mim são como as histórias que vivem dentro de nós o tempo todo. São elas que me confortam quando estou triste e me fazem sorrir outra vez. Histórias me fazem sonhar de olhos abertos”.
O discurso da garota me fez voltar no tempo: eu tinha 13 anos de novo! Agora eu me lembrava das histórias que minha irmã mais velha me contava sobre príncipes encantados, donzelas sonhadoras, cavaleiros valentes, rainhas malvadas e os “felizes para sempre”. 
Eu já havia experimentado o sabor de sonhos realizados, pois já tinha vivido o meu conto de fadas. Tinha sido muito breve e o príncipe encantado havia partido para sempre. O vento o levara como leva as folhas secas das árvores para longe.
Aquela aula chegara ao fim. Tive o imenso prazer de conhecer muitas memórias. Mesmo sendo alunos de pouca idade, todos estavam cheios de histórias para contar com apenas suas memórias. Juntei meus livros e pertences para deixar a escola. Mais um dia se passara repleto de grandes emoções e recompensas.
O sol agora já estava alto no céu. O vento soprava suavemente como se entoasse uma canção. Eu estava a caminho de casa quando eu o vejo do outro lado da rua. Era ele, o meu príncipe encantado! Parei. Meu coração batia furiosamente em meu peito. Sem demora enviei a ele um sorriso, mas ele não me devolveu. Deveria estar com pressa, pois continuou o seu caminho.
Ele havia voltado. O vento realmente o havia trazido de volta. Mas por que ele se lembraria de uma garota de 13 anos que ele tinha se negado amar, ainda mais depois de tanto tempo? Não. Ele nunca se lembraria. Eu não fazia parte de suas memórias, mas ele sempre faria parte da minha história.
    
Por S. W.